Ticker

6/recent/ticker-posts

Header Ads Widget

A IEA prevê um sério impacto contínuo na demanda de petróleo da Covid-19

 (Bloomberg) --O mercado de petróleo sofrerá um golpe de longa duração com o coronavírus, com a demanda demorando anos para se recuperar e atingindo um nível mais baixo, disse a Agência Internacional de Energia.

Após uma queda sem precedentes de 8% neste ano, o consumo global de petróleo retornará aos níveis anteriores à crise em 2023, desde que a Covid-19 seja controlada no próximo ano, disse a agência com sede em Paris na terça-feira.

Fonte: https://www.ey.com/en_ee/oil-gas/top-3-oil-and-gas-trends-q1-2019


Mesmo nesse caso, que é o cenário mais otimista para o petróleo considerado pela AIE, a pandemia tem impacto duradouro. A IEA reforçou sua visão de que a demanda global de petróleo se estabilizará por volta de 2030, atingindo níveis mais baixos do que o previsto no ano passado.

“A era de crescimento da demanda global de petróleo chegará ao fim na próxima década”, disse o Diretor Executivo da IEA, Fatih Birol, no relatório anual World Energy Outlook da agência.

É um tom mais forte do que o relatório do ano passado, que enfatizou que não havia “pico definitivo” no horizonte. Se a recuperação da pandemia for mais lenta e houver danos econômicos duradouros, a demanda por petróleo pode ter apenas alguns anos para crescer, disse a AIE.

Nivelamento

A perspectiva da agência, que assessora a maioria das grandes economias, surge no momento em que grandes empresas de petróleo como BP Plc e Royal Dutch Shell Plc reconhecem que a combinação da pandemia com as mudanças drásticas necessárias para evitar uma crise climática terá consequências profundas para seus ativos e negócios modelos.

O crescimento de longo prazo na demanda de petróleo será controlado pela mudança para veículos mais eficientes ou elétricos, prevê a AIE. O consumo aumentará cerca de 750.000 barris por dia a cada ano para chegar a 103,2 milhões por dia em 2030. Isso é cerca de 2 milhões por dia menos do que o previsto no relatório do ano passado.

O aumento será totalmente concentrado nas nações em desenvolvimento - mais notavelmente na Índia - e dominado por matérias-primas para plásticos e outros produtos petroquímicos, ao invés de combustível para transporte rodoviário. Após 2030, o crescimento anual diminuirá para apenas 100.000 barris por dia.

Se os surtos prolongados de coronavírus impedirem a recuperação econômica, resultando em uma economia global que é 10% menor em 2030 do que as projeções atuais, então as perspectivas para o petróleo são ainda mais sombrias.

O consumo de petróleo não se recuperaria aos níveis pré-vírus até "a última parte da década de 2020" neste cenário, e iria se estabilizar logo depois em pouco menos de 100 milhões de barris por dia, disse a agência.

As perspectivas da AIE e das empresas petrolíferas internacionais tornam a visão da Organização dos Países Exportadores de Petróleo - que na semana passada projetou que a demanda por petróleo continuará a crescer por mais duas décadas - um outlier.

O cartel também vê o consumo de petróleo se recuperando aos níveis pré-pandêmicos em 2022, um ano antes da AIE.

Grandes investimentos

Apesar das perspectivas fracas para o consumo, a indústria petrolífera global, no entanto, enfrenta um desafio para atender à demanda projetada.

Mesmo depois de 2030, cerca de US $ 390 bilhões em investimentos serão necessários a cada ano para encontrar novos suprimentos que compensem a queda na produção em campos de petróleo envelhecidos, disse a AIE.

Os preços devem se recuperar para US $ 75 o barril no final da década, dos níveis atuais pouco acima de US $ 40, conforme a demanda aumenta, incentivando os perfuradores a gastar novamente.

A indústria de xisto dos Estados Unidos, que forneceu grande parte do novo suprimento de petróleo do mundo na última década, se recuperará para os níveis anteriores à crise em 2022. Os Estados Unidos devem permanecer o maior produtor de petróleo até 2040. No entanto, o setor de xisto o fracasso em recompensar os investidores e a confiança na dívida significa “um alto grau de incerteza” sobre seu desempenho futuro.

“Os mercados de capitais não estão dispostos a intervir e financiar a próxima onda de projetos”, alertou a agência. “Não está claro se esse investimento virá a tempo.”

Os membros da OPEP também enfrentam um período difícil, uma vez que as receitas esgotadas sobrecarregam os orçamentos nacionais, e uma parte do crescimento que havia sido previsto na Nigéria, Iraque e Angola deve ser perdida.

Fonte: https://www.worldoil.com/news/2020/10/13/iea-forecasts-a-serious-ongoing-oil-demand-hit-from-covid-19

Postar um comentário

0 Comentários

O Futuro do Petróleo e Gás: Inovações Sustentáveis e Desafios do Setor em 2024

Postagens mais Visitadas

Técnico
Mecânico Offshore; Almoxarife
Alphatec